VEJA OS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A VALIDADE DO RECIBO DE SALÁRIO


Salário é a contraprestação devida pelo empregador em função do serviço prestado pelo empregado.

Objetivamente, salário é o preço da força de trabalho que o empregado coloca à disposição do empregador através do contrato de trabalho.

Assim, como o salário é o maior bem econômico do trabalhador, a legislação determina que o pagamento dele deva ser efetuado em contrarrecibo, assinado pelo empregado.

Neste comentário, analisaremos as normas referentes ao recibo de pagamento do salário.

1. FORMA DO RECIBO

Recibo é o documento escrito comumente em papel, em que se confessa ou se declara o recebimento de alguma coisa.

Para ter valor, o recibo deve conter:

a) a descrição da dívida ou da obrigação a que se refere o pagamento;

b) o nome do devedor ou da pessoa, que efetua o pagamento;

c) o lugar e a data, em que o pagamento é feito; e

d) a assinatura de quem recebe o pagamento.

2. FOLHA DE PAGAMENTO

A forma de quitação do salário não tem, necessariamente, que ser feita através de recibo solto, podendo ser realizada na própria folha de pagamento.

Neste caso, a folha deve observar os mesmos requisitos do recibo, tendo, necessariamente, que ser assinada pelo empregado.

Não tem valor o recibo que não discrimina as verbas pagas.

O comprovante de pagamento deve indicar com clareza cada parcela paga com o respectivo valor, pois não se admite englobar a quitação de várias rubricas em um único pagamento sem especificação, já que ficaria caracterizado o chamado salário complessivo, não aceito pela Justiça do Trabalho.

3. PROVA DE QUITAÇÃO

A prova do pagamento de salários, nos termos da CLT – Consolidação das Leis do Trabalho, deve ser feita pelo empregador, mediante a apresentação de recibo assinado.

A quitação do salário não pode ser feita por outro que não o empregado, inclusive quando menor. Daí a necessidade da sua assinatura.

Quando o pagamento for efetuado através de cheque, onde não há como se provar o pagamento efetuado, é necessária a assinatura no recibo.

3.1. EMPREGADO NÃO ALFABETIZADO

No caso dos empregados não alfabetizados, a quitação poderá ser dada com a impressão digital, ou, quando não for possível, a seu rogo.

A quitação a rogo é aquela feita a pedido ou por solicitação de quem não pode assinar por estar impossibilitado ou pelo fato de não saber escrever.

A assinatura é feita por uma terceira pessoa, na presença de duas testemunhas, que comprovarão que o empregado concordou com o valor recebido.

4. DEPÓSITO EM CONTA BANCÁRIA

Tem força de recibo o comprovante de depósito em conta bancária, aberta para esse fim em nome de cada empregado, com o consentimento deste, em estabelecimento de crédito próximo ao local de trabalho.

O Precedente Administrativo 86/2009, da Secretaria de Inspeção do Trabalho, determina que o comprovante de depósito substitui o recibo de pagamento e, neste caso, a empresa fica obrigada, apenas, a entregar ao trabalhador um contracheque ou demonstrativo de pagamento, em que se discriminem as parcelas salariais.

5. ENTENDIMENTO DA JUSTIÇA DO TRABALHO

OTST – Tribunal Superior do Trabalho firmou entendimento de que o pagamento do salário deve ser feito mediante recibo, fornecendo-se cópia ao empregado, com a identificação da empresa, e do qual constarão a remuneração, com a discriminação das parcelas, a

quantia líquida paga, os dias trabalhados ou o total da produção, as horas extras e os descontos efetuados, inclusive para a Previdência Social, e o valor correspondente ao FGTS.

6. CÓPIA DO RECIBO DE PAGAMENTO

Apesar de o recibo ser documento do empregador, é imprescindível nos dias atuais que o empregado fique com uma cópia.

Este procedimento é relevante, e de inestimável valor prático para o empregado, pois, além de tomar ciência do que lhe foi efetivamente pago, fica com um comprovante dos seus rendimentos, documento que é exigido pelo comércio e pelos bancos para concessão de

crédito nas suas necessidades de consumo, quando for o caso.

Vale ressaltar, inclusive, que por meio do recibo de pagamento o empregado comprova o vínculo e as remunerações junto à Previdência Social para fins de inclusão, alteração, ratificação e exclusão de dados no CNIS – Cadastro Nacional de Informações Sociais.

O mesmo procedimento não poderá ser adotado pelas empresas que se utilizam da folha de pagamento para a quitação dos salários, pois não é viável que cada empregado receba uma cópia da folha.

A utilização da folha para quitação também é desaconselhável pelos conflitos que pode gerar dentro da empresa, já que os salários passam a ser do conhecimento geral.

7. PRESCRIÇÃO

Os créditos resultantes das relações de trabalho urbano e rural prescrevem em 5 anos, enquanto vigente o contrato, até o limite de 2 anos após sua extinção.

Contra os menores de 18 anos, não há prazo de prescrição.

Como o recibo assinado pelo empregado é documento da empresa, esta deve guardá-lo pelos prazos analisados no parágrafo anterior, para fins de comprovação perante a Justiça do Trabalho, já que os lançamentos contábeis da empresa, ainda que válidos para fins comerciais e fiscais, não são bastantes para comprovar o efetivo pagamento.

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal de 1988 – artigo 7º, inciso XXIX (Portal COAD); Decreto-Lei 5.452, de 1-5-43 – CLT – Consolidação das Leis do Trabalho – artigos 11, 439, 440 e 464 (Portal COAD); Instrução Normativa 77 INSS, de 21-1-2015 (Fascículo 03/2015 e Portal COAD); Resolução 121 TST, de 28-10-2003 – Súmula 91 (Informativos 47 e 48/2003); Ato Declaratório 10 SIT, de 3-8-2009 – Precedente Administrativo 86 (Fascículo 32/2009); Precedente Normativo 93 TST (Portal COAD).


Fonte: COAD

16 visualizações

Grupo MCX

Matriz: Rua José Cláudio Rezende, 300 - 2º e 3º andar - Estoril - Belo Horizonte - MG - CEP 30.494-230 - Telefone (31) 2515-4745

Filial SC: Rua 2500 n:1300 conj 101 A - Centro - Balneário Camboriú/SC - CEP 88.330.396 - Telefone (47) 3081-2030

Filial ES: Av. Nossa Senhora dos Navegantes, 451 - sl 1809 - Edifício Petro Tower - Enseada dp Suá - Vitória - ES - CEP 29.050-917

© 2017 - Grupo MCX